31 de março de 2009

722. Desemprego

Pelos vistos chega a todos: «Ficar sentado à espera que o telefone toque para eu ir apresentar um concursito é deprimente».

Público, 30.III.2009.

721. Booh!

29 de março de 2009

28 de março de 2009

718. Tv

A TVI24 é o melhor que aconteceu na televisão desde que o Correio da Manhã começou a ser publicado.

717. Peixe

716. Crise

A Qimonda começou por ser um problema de ortografia. Depois, foi uma ideia que alguém teve: «The name and brand identity of Qimonda express the philosophy and personality of the company, illustrating its vision and values. The word “Qimonda” carries different meanings and allows associations in different languages. In Chinese, “Qi”, pronounced as "ch-ee', stands for breathing and flowing energy, while “monda” denotes “world” in Latin-based languages. "Qi", when pronounced as a hard "k", suggests “key to the world”, a positive connotation.»

715. Lisbon Skyline

714. Complexo

Mapas e mais mapas: Visual Complexity.

713. Última


execução.

25 de março de 2009

712. Serviço público

«As linhas do Corgo (Régua a Vila Real) e do Tâmega (Livração a Amarante) estão encerradas "por tempo indeterminado" desde ontem à noite, numa ordem dada em cima da hora pela administração da Refer que, em segredo, acordou com a CP um serviço de substituição rodoviário. O motivo oficial é a reabilitação daquelas linhas, mas a empresa não tem qualquer calendarização para iniciar os trabalhos, não dispõe dos projectos para tal e não abriu qualquer concurso público.
O PÚBLICO apurou que a Refer e a CP preparavam esta operação há já alguns meses, mas decidiram não a divulgar, preferindo fazê-lo em cima da hora. Ontem, às 21h, os sites das duas empresas não traziam ainda qualquer informação sobre esta suspensão. A ordem apanhou de surpresa os ferroviários da estação da Régua e da Livração que, subitamente, ficaram a saber que hoje já não haveria comboios para Vila Real e Amarante. Para a CP, que também omitiu estas alterações aos seus clientes, esta situação é vantajosa visto que o serviço é deficitário e poupa agora no combustível e no desgaste das composições, com a vantagem de ser a Refer a pagar os autocarros de substituição.»

Público, 25.III.2009.

711. Milk

Gus Van Sant, 2008.

24 de março de 2009

710. Eu voltei

«O portão

Eu cheguei em frente ao portão
Meu cachorro me sorriu latindo
Minhas malas coloquei no chão
Eu voltei

Tudo estava igual como era antes
Quase nada se modificou
Acho que só eu mesmo mudei
E voltei

Eu voltei agora pra ficar
Porque aqui, aqui é meu lugar
Eu voltei pras coisas que eu deixei
Eu voltei

Fui abrindo a porta devagar
Mas deixei a luz entrar primeiro
Todo o meu passado iluminei
E entrei

Meu retrato ainda na parede
Meio amarelado pelo tempo
Como a perguntar por onde andei
E eu falei:

Onde andei não deu para ficar
Porque aqui, aqui é meu lugar
Eu voltei pras coisas que eu deixei
Eu voltei

Sem saber depois de tanto tempo
Se havia alguém à minha espera
Passos indecisos caminhei
E parei

Quando vi que dois braços abertos
Me abraçaram como antigamente
Tanto quis dizer e não falei
E chorei

Eu voltei, agora pra ficar
Porque aqui, aqui é meu lugar
Eu voltei pras coisas que eu deixei
Eu voltei

Eu parei em frente ao portão.»

Roberto Carlos & Erasmo Carlos (1974)

709. Marvel

22 de março de 2009

15 de março de 2009

12 de março de 2009

703. Emigração

De Portugal em 2002.

702. Marx

«I've worked myself up from nothing to a state of extreme poverty.»

Groucho Marx

8 de março de 2009

701. Imigração

Para Portugal em 2007.

700. Aborto

«O arcebispo de Olinda e Recife, Dom José Cardoso Sobrinho, se pronunciou ontem, 5, sobre o caso da menina que ficou grávida aos 9 anos violentada pelo padrasto em Recife e que por autorização da mãe, teve a gestação interrompida. Internada na última terça-feira, 3, ela recebeu doses de um medicamento para interromper a gravidez.
Em entrevista à Canção Nova, o arcebispo mostrou-se mais uma vez contrário ao aborto, já que o Código de Direito Canônico diz que todos aqueles que conscientemente se envolvem num processo de interrupção da vida, como neste caso, estão automaticamente excomungados da Igreja Católica.
Dom José também ressaltou que a excomunhão não é algo irreversível. Basta que a pessoa se arrependa e procure se confessar com um bispo.»

Arquidiocese de Olinda e Recife

699. Olaias


Em directo da zona de distúrbios étnico-sociais.

698. Ruas

«Rua dos Prazeres - he a quarta á esquerda, descendo pela Travessa do Pombal, vindo do Collegio dos Nobres, e termina na Rua Nova da Piedade.»

in Itinerario Lisbonense ou Directorio Geral de todas as Ruas, Travessas, Becos, Calçadas, Praças, etc. que se comprehendem no recinto da Cidade de Lisboa com os seus proprios nomes, principio e termo, indicados dos lugares mais conhecidos e geraes, para utilidade, uso e commodidade dos estrangeiros, e nacionaes. Lisboa, 1804.

Google Books
.

4 de março de 2009

697. Televisão

696. Asteróide

Boas notícias:

«An asteroid which may be as big as a ten-storey building has passed close by the Earth, astronomers say. The object, known as 2009 DD45, thought to be 21-47m (68-152ft) across, raced by our planet at 1344 GMT on Monday.»

Más notícias:
«The object was first reported on Saturday by the Siding Spring Survey, a near-Earth object search programme in Australia.»

BBC, 3.III.2009

3 de março de 2009

695. Gato

Um conhecido meu.

694. Recenseamento eleitoral

31.XII.2007: 8 814.3 mil inscritos
31.XII.2008: 9 488.8 mil inscritos
+ 7,7%, + 675.5 mil inscritos

População:
31.XII.2007: 10 617.6 mil habitantes
31.XII.2008: 10 631.8 mil habitantes
+0,1%, 14.2 mil inscritos

Há 660 mil eleitores a mais?
Estranhos resultados em ano de eleições.

2 de março de 2009

693. Eléctrico

692. Vieira

A vida de grande ditador é arriscada. Mas mesmo assim até dura bastante. Muitas vezes acaba assim: Nino Vieira (1939-2009), Presidente da República da Guiné-Bissau (1980-1999, 2005-2009).

691. Istambul

690. Fado do Kilas

«Foi num velho cinema de reprise
que eu revi a minha história
a memória é uma armadilha
quanto mais solta mais se ensarilha

E na roda do destino
nunca se sabe o que se nos depara
e os que ainda andam na mó de cima
têm que saber que a roda não pára
e fatalmente o fim se aproxima
a vida não pára

E enquanto que o mistério se deslinda
no cinema abandonado
olho para o lado
e busco em vão
um outro alguém que me estenda a mão

E a roda deste fado
só não a teme quem a encara
e os que ainda andam na mó de cima
têm que saber que a roda não pára
e fatalmente o fim se aproxima
a vida não pára

E o grito lancinante das sirenes
na cidade adormecida
vem da vida ou vem do ecrã
ouvi-os hoje ou são para amanhã

E na roda desta vida
nunca se sabe o que se nos depara
e os que ainda andam na mó de cima
têm que saber que a roda não pára
e fatalmente o fim se aproxima
a vida não pára

E saio do cinema cambaleante
corro a buscar a amizade
numa cidade que vi na tela
um acenar em qualquer janela

E a roda deste fado
só não a teme quem a encara
e os que ainda andam na mó de cima
têm que saber que a roda não pára
e fatalmente o fim se aproxima
a vida não pára»

Sérgio Godinho, 1981

689. Loiros

688. Ortografia

«devemos congratular-nos por possuirmos agora ortografia muito simplificada, que, respeitando a história da língua e o seu desenvolvimento gradual, dá á grande maioria das palavras, exteriorização gráfica adequada, e irmana em mérito com a castelhana e italiana.»

Carolina Michaëlis de Vasconcellos, 1911.

687. Galiza

Votação do Bloco Nacionalista Galego, 2009.

686. Ovo

«It has, I believe, been often remarked that a hen is only an egg's way of making another egg.»

Samuel Butler, 1877.

1 de março de 2009

685. Espelho

684. Abba

«"Fue la audiencia más reducida ante la que hemos tocado nunca, pero el señor Putin realmente lo disfrutaba", afirma Bjorn Again, líder del grupo. "Gritaba ‘¡Bravo!´ y aplaudía junto al resto".
"Bailaba Super Trouper junto a su asiento, y movía los brazos en el aire con Mamma Mia cuando les animamos", añade Aileen McLaughlin, quien actúa como Agnetha Faltskog en el grupo.»

20 Minutos, 8.II.2009

683. Gravura

682. Ortografia

«A origem do lh e nh não está esclarecida. Como estas formações aparecem no provençal, lingua com documentos litterarios anteriores aos portugueses, suppõe-se ter havido aqui imitação. Se assim foi, póde a introducção ser devida a um grupo de letrados influentes ou a empregados da chancellaria real, conhecedores da lingua d'oc, que insensivelmente applicassem a ortographia daquelle idioma ao português. Mais provavel, porém, é que as combinações tivessem sido inventadas em Portugal, pois que o h marcava sempre o hiato que também era representado por um i, de que são exemplo as seguintes palavras: sabham, cambho, Pauha, limpho, legumha, ademha, mha, tehor, etc. Ora, além das letras indicadas, temos ainda o l e o n em que se dava o mesmo, mas que só junto desses signaes se tenha fixado o h deve-se ao facto das combinações representarem sons que não havia no latim e que era necessario fazer perceber ao leitor português.»

A respeito da antiga ortographia portuguesa, Pedro d'Azevedo, Revista Lusitana, Volume VI, 1900-1901.

681. Férias

680. Johnny

«Johnny: How many men have you forgotten?
Vienna: As many women as you've remembered.
Johnny: Don't go away.
Vienna: I haven't moved.
Johnny: Tell me something nice.
Vienna: Sure, what do you want to hear?
Johnny: Lie to me. Tell me all these years you've waited. Tell me.
Vienna: All those years I've waited.
Johnny: Tell me you'd a-died if I hadn't come back.
Vienna: I woulda died if you hadn't come back.
Johnny: Tell me you still love me like I love you.
Vienna: I still love you like you love me.
Johnny: Thanks. Thanks a lot.»

Philip Yordan, Johnny Guitar, 1954